1 de abril de 2011

Você já evitou fazer amor ou apagou a luz no quarto por se achar gorda?

Ruth de Aquino


A notícia não é nova…e provavelmente a situação também não. Deve ter acontecido com muitas mulheres em algum momento da vida. Segundo uma pesquisa recente, 52% das mulheres evitam sexo por se sentir gordas e 13% só transam com as luzes apagadas, devido ao excesso de peso.

Ou seja, a se acreditar que a pesquisa reflete a realidade, metade (ou mais) das mulheres se nega o gosto do prazer porque não se sente desejável, porque tem vergonha de uma gordurinha aqui ou ali, de uma celulite lá ou aqui, de umas dobras…sim, umas dobras na carne!


Quanto a apagar as luzes para fazer amor, pergunto a vocês, que estão lendo este post. Já apagaram todas as luzes por ter algum pudor inconfessável do próprio corpo? Ou fazem isso SEMPRE, como 13% das entrevistadas na Grã-Bretanha? Claro que ter uma relação sexual com holofote na cara não tem nada a ver. À meia-luz é melhor. Mas transar no breu, e ainda por cima por se achar “mais gorda do que o parceiro desejaria”, aí é algo a ser combatido internamente. Porque tem a ver com nossa auto-estima. Quando a insatisfação com o corpo atrapalha até a vida amorosa, é hora de se preocupar.


A pesquisa ouviu 4 mil pessoas e descobriu várias coisas. Entre elas, que uma em cada 10 mulheres gostaria de ser mais aventureira e ousada na cama, mas se sente tolhida às posições tradicionais por sentir vergonha de sua aparência. O estudo foi encomendado por um laboratório fabricante de uma pílula, feita com ingredientes à base de plantas, que promete aumentar a libido feminina.


Mulheres são mesmo exigentes demais consigo mesmas, de maneira geral, e o post de Letícia sobre Miss Representation (clique aqui) mostra como essa ditadura da imagem é real e, no fim, ilusória.


Sentir-se pouco atraente leva 34% das mulheres, segundo a pesquisa britânica, a evitar o sexo. Talvez por isso os elogios masculinos sejam tão importantes. Homens que sabem elogiar ganham muitos pontos. OK, ninguém merece um homem que viva jogando a gente para baixo. Mas também é preciso cultivar o “nosso olhar” e não apenas o masculino. Muitas de nós sempre encontramos um defeitinho que nem os homens conseguem enxergar, porque, na hora do amor, o que importa é a química entre os corpos, o sentimento, o desejo. E, quando são verdadeiros, superam qualquer ansiedade de perfeição.


Aliás, mulher perfeita não existe, como expressa a foto que eu comprei em Paris, no museu Jeu de Paume. É um auto-portrait de uma fotógrafa chamada Suzanne Junker. O que está escrito sobre o corpo dela é “A mulher perfeita é uma mentira”.


E todos nós concordamos com isso, não é?
Se nós nos sentimos felizes, se nos aceitamos, somos incrivelmente mais sedutoras. Mais autoconfiança, menos insegurança. Isso faz milagres. E até nos esquecemos de apagar a luz.


 Ruth de Aquino é colunista de ÉPOCA, morando atualmente na Europa.


Retirado daqui: Mulher 7x7

2 comentários:

  1. Olá!
    Gostaria de te convidar para visitar a loja VICTTORIA - Tamanhos Especiais.

    Aguardo sua visita!
    Att
    http://www.lojavickttoria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi querida vim agradecer seu carinho
    muito obrigada e vim desejar a você ótimas energias tbm
    a nós todas.
    -------------------
    Sobre o post..
    eu já apaguei a luz várias vezes e já deixei de fazer amor com meu noivo por me achar muito gorda...hoje não faço mais isso
    tenho certeza que ele me ama e que EU ME AMO.

    òtima semana
    Beiiiiijo
    Mel.

    ResponderExcluir